[Review do Motorola Moto G]

Confira tudo sobre o surpreendente smartphone de baixo custo da Motorola

por - Quinta-feira, 19 de Dezembro de 2013

Review do Motorola Moto G
No começo do mês de novembro a Motorola surpreendeu a todos com uma ótima novidade, o lançamento de um novo smartphone do segmento intermediário com excelente hardware, sistema Android puro, garantia de atualizações e acessórios exclusivos, o Moto G. Por falar em exclusividade, não só o lançamento mundial do aparelho foi realizado no Brasil, como o País foi um dos primeiros do mundo a receber a novidade, enquanto outros locais ainda estão pra receber o aparelho. 
Recebemos um modelo dual SIM do aparelho para testes e relataremos aqui nossa experiência numa análise completa.

É importante lembrar que não recebemos nenhum benefício ou recurso financeiro para testar e escrever sobre esses aparelhos, sendo assim procuramos nos identificar ao máximo com as necessidades e dúvidas dos leitores.

Nosso objetivo não é simplesmente escrever as especificações e recursos dos dispositivos testados, por isso, cada aparelho não só é testado, mas usado por dias, de forma que seja possível passar através do review o ponto de vista de um possível usuário.
[ Design ]
O Moto G segue o mesmo padrão de design do Moto X, indicando um provável padrão de linha a ser seguido pelos próximos produtos da empresa. Apesar de ser mais simples que seu irmão mais velho, a mesma impressão de beleza e de bom acabamento permanece quando pegamos o Moto G nas mãos. Um destaque fica por conta da traseira do aparelho, que possui um revestimento repelente a água, lisa e de aparência emborrachada, que dá mais segurança no uso no dia a dia, pois não há a impressão de fragilidade e de que o aparelho vai riscar a qualquer momento, como acontece em produtos com traseira de vidro ou até mesmo de plástico. Por outro lado, a traseira fica com muitas marcas de dedo após o uso, marcas que, por conta do material utilizado, são difíceis de limpar.
Pra quem deseja um pouco mais de personalização, a Motorola trouxe também mais novidades, as Motorola Shells. O Moto G foi desenvolvido com a traseira removível, possibilitando sua substituição por outras opções de capa. São três opções que serão oferecidas pela Motorola (resta saber quando). Há uma versão simples de plástico, uma versão emborrachada e a flip, que possui uma capa frontal que conta com um imã no fecho. Embora não tenhamos recebido as capas para testes, experimentamos algumas no lançamento do aparelho e pudemos constatar que as Shells realmente são um diferencial interessante. Feitas sob medida, se encaixam com perfeição no aparelho e garantem uma diferenciação do visual, permitindo que cada pessoa escolha a cor e modelo que mais combine com ela.  
Ainda sobre a traseira, uma coisa interessante. Apesar da tampa traseira ser removível, a bateria não é. A mesma vem lacrada, não sendo possível assim sua remoção para eventual troca, pelo menos não por qualquer pessoa que não seja um técnico especializado. Outra coisa curiosa é que num aparelho onde um dos atrativos é a substituição da tampa traseira, a remoção da mesma é bem difícil, principalmente no começo. Nas primeiras vezes era necessário aplicar um certo esforço e ainda sim a capa só saia com muita dificuldade. Depois de um tempo de prática, tirar a tampa se tornou mais fácil, porém o esforço necessário continuou o mesmo. 
Apesar de ser considerado uma versão simples do Moto X, isso não significa que o G seja uma versão mini dele, pelo menos não em relação ao tamanho, já que o aparelho possui dimensões bem próximas das de seu irmão, com 129,9 x 65,9 mm, curva traseira de 6 – 11,6 mm e 143 gramas de peso. Sendo assim, mantém o tamanho compacto e não é tão pesado, proporcionando assim uma pegada excelente e confortável, pois o aparelho realmente se encaixa na mão e não incomoda nada no bolso. 
Os botões Power e Volume foram colocados juntos na lateral direita do produto, enquanto na lateral esquerda não há nenhum botão ou compartimento. Na parte superior, bem no centro, temos o conector para fone de ouvido e na parte inferior a entrada micro USB. 
O compartimento para micro SIM (compartimentos, no caso da versão dual) está localizados junto a bateria, sendo necessário a retirada da tampa traseira para acesso. O Moto G não possui suporte a micro SD. 
[ Tela ]
Num smartphone top de linha uma resolução de 720 x 1280 pode não impressionar muito, mas num smartphone do segmento intermediário e com uma tela de 4,5 polegadas, o resultado agrada muito. São 329 ppi, mais até que o Moto X, o que proporciona uma qualidade de imagem excelente, sem dúvida um dos principais pontos fortes do Moto G. 
Mesmo o tamanho da tela, para um aparelho tão compacto, é bem satisfatório para o consumo dos mais diversos tipos de conteúdos, entre jogos, vídeos e navegação na internet. 
[ Câmera ]
A resolução da câmera do Moto G não é muito alta, com apenas duas opções, 5 MP (4:3) e 3.8 MP (16:9), porém isso não chega a ser um problema, já que 5 MP é mais que suficiente para o uso de uma câmera tão simples como a do G, lembrando também que o modelo mais básico do aparelho possui apenas 8 GB de capacidade de armazenamento, sendo que uma resolução maior geraria arquivos maiores, consumindo mais desse escasso espaço. 
A qualidade das fotos deixa um pouco a desejar, mas pra quem pretende não ir muito além de tirar uma ou outra foto pra postar em redes sociais ou registrar algum momento com rapidez, o resultado, pelo menos de dia e com boa iluminação, pode ser satisfatória.  
As fotos noturnas são geralmente um problema para a maioria dos smartphones, mesmo para os top de linha e até mesmo para câmeras digitais point-and-shoot, por isso é importante que o usuário não espere muita coisa da câmera do Moto G no uso noturno, pois as imagens saem cheias de ruídos, com uma qualidade extremamente baixa. 
Confira abaixo mais alguns exemplos de fotos tiradas com o Moto G, em diferentes condições.  
[ Foto diurna com HDR ]
[ Foto diurna sem HDR ]
O Moto G não possui recursos avançados de fotografia, modos de cenas diversificados ou outros tipos de firulas. Nem mesmo alguns dos principais recursos do Moto X estão presentes, principalmente aqueles que dependem de uma maior otimização de hardware, como é o caso do acionamento da câmera apenas balançando o aparelho.

O usuário encontrará, porém, a mesma interface da câmera do top de linha da Motorola, inclusive a ausência do botão de disparo, o que é muito prático e agiliza bastante na hora de tirar fotos. Prático também é o acesso ao menu apenas deslizando os dedos. Aliás, acesso ao menu, zoom e acesso a galeria, tudo é muito prático, bastando apenas deslizar o dedo em diferentes direções.

A câmera do Moto G possui também o recurso HDR automático, foco automático e manual, modo panorama, flash LED, 4X de zoom digital (que só deve ser usado em último caso) e também faz gravação de vídeos em HD (720p) e em câmera lenta. Confira abaixo alguns exemplos de vídeos com o Moto G. 
[ GPS ]
O GPS do Moto G funciona muito bem na rua, que é geralmente onde mais precisamos do recurso. Já no caso de ambientes internos, o tempo de fixação varia muito, mas geralmente é bem alto, podendo ir de alguns segundos à vários minutos, como é possível ver nas imagens abaixo, com resultados de testes realizados com o aplicativo GPS Test. Na rua podemos ver que o tempo de fixação é ótimo, sendo praticamente instantâneo. Já as demais imagens mostram o quanto o tempo de fixação em ambientes internos pode demorar. 
[ Armazenamento ]
 
O Moto G está disponível em versões com 8 GB e 16 GB. Só o fato da capacidade de armazenamento, principalmente na versão mais básica, ser bem limitada, já é um ponto negativo, porém a falta de suporte a cartão microSD pode desagradar ainda mais àquelas pessoas que necessitam de espaço. O Moto G é um aparelho com desempenho excelente, inclusive para rodar jogos pesados, porém, do que adianta isso, se a instalação de tais jogos for limitada pela capacidade de armazenamento. O Real Racing 3, por exemplo, roda super bem no aparelho, porém utiliza 1,61 GB de armazenamento, sendo que deste total, pelo menos 1,58 GB poderiam ser movidos para o cartão SD.
É importante lembrar que do total da capacidade de armazenamento dos dispositivos, uma parte é destinada ao sistema, sendo que o espaço restante deverá ser dividido entre o armazenamento de documentos, imagens, vídeos, músicas e aplicativos. Na versão de 8 GB, a quantidade de memória disponível para o usuário é de 5,52 GB, enquanto na versão de 16 GB a quantidade deve ser próxima dos 12 GB.  
Pra tentar compensar a falta de espaço no aparelho a Motorola está oferecendo aos donos do Moto G 2 anos de armazenamento gratuito para até 50 GB no Google Drive, totalizando assim 65 GB, se somados aos 15 GB já disponibilizados pelo Google à todos os usuários do serviço. 
Dica: Caso a ativação da promoção acima não for realizada automaticamente no primeiro login do Google Drive no aparelho, faça o seguinte: Inicie o aplicativo Google Drive, selecione a opção “Tour de Produto” no menu. A página da oferta aparecerá, bastando então clicar em Resgatar (deslize a página para cima caso não consiga visualizar) e selecionar a conta onde a promoção será ativada. 
[ Sistema e Recursos ]
O Moto G já vem com a versão 4.3 do Android, com a interface pura, sem nenhum tipo de customização por parte da Motorola. Isso é uma boa notícia para alguns, que preferem o sistema no estilo Nexus, enquanto para outros podem sentir falta de alguns recursos que poderiam ter sido incorporados pela fabricante.  
Uma coisa boa de ser ter uma versão pura é a agilidade nas atualizações, e quanto a isso a Motorola está querendo mostrar que realmente mudou, tanto que a atualização para a versão 4.4 KitKat já está prometida para o começo do próximo ano.

Alguns recurso do Moto X fazem falta no G, como é o caso do aparelho sempre ouvindo para ativação do Google Now com a tela desligada e as funções Active Display e Active Notifications, porém tais recursos dependeria também de um processador melhor e otimização de hardware realizada no Moto X.

Mas nem tudo ficou de fora e pelo menos temos o Motorola Assist, uma evolução do Smart Actions, aplicativo da empresa incorporado aos aparelhos da empresa, em que algumas funções podiam ser automatizadas de acordo com determinados contextos. No caso do Motorola Assist os contextos são mais limitados, assim como as funções automatizadas, porém funcionam muito bem e de forma bem mais integrada ao sistema e ao aparelho.  
Temos apenas dois contextos disponíveis no moto G. Um deles é o “Dormindo”, onde é possível configurar um determinado período em que o telefone será mantido em silêncio automaticamente, retornado seus toques normais ao final deste período.  
O outro contexto é o “Reunião”, que reconhece automaticamente eventos marcados na agenda e, além de silenciar o telefone durante a duração do evento, também pode enviar uma mensagem a contatos que tentem ligar durante o mesmo, avisando que no momento você está ocupado. 
Faz falta no Moto G o contexto “Dirigindo”, disponível no Moto X, que reconhece automaticamente quando o carro está em movimento. 
[ Dual SIM ]
Hoje em dia cada vez mais pessoas tem optado por usar mais de um chip, não necessariamente para gastar menos na hora das ligações, mas também para separar linhas que são utilizadas para objetivos diferentes, como uma linha pessoal e outra profissional, por exemplo. Por isso é bom saber que novas opções de peso estão surgindo com suporte a mais de um chip, como é o caso do Moto G, um smartphone como já visto até aqui muito bom, sendo uma boa opção pra quem precisa de um excelente custo-benefício com suporte a dois chips. 
Durante os testes, com um chip da VIVO e outro da OI, não foram encontrados problemas. Foi possível facilmente configurar um dos chips para usar a internet e outro para realizar ligações e/ou enviar SMS por padrão. No momento de uma chamada ou envio de SMS, a opção de alterar o chip aparecia e podia ser alterada de forma muito fácil e rápida. 
O formato do chip suportado pelo Moto G é o microSIM. 
[ Desempenho ]
Em termos de velocidade o Moto G dá um show quando comparado com outros smartphones de baixo custo disponíveis no mercado. O processador Quad-Core Qualcomm Snapdragon 400 mostra que ainda pode tirar muito proveito de um hardware bem construído aliado a um sistema bem integrado.

Não se pode, é claro, esperar um desempenho excelente como o Moto X, que possui todo um conjunto de processadores dedicados para o desempenho de diferentes tarefas, ou mesmo de outros smartphones top de linhas, que possuem processadores melhores e mais memória. Alguns lags podem ser percebidos durante o uso, como na volta para a tela inicial a partir de alguns aplicativos, por exemplo, ou uma ou outra engasgada ao rodar um jogo um pouco mais pesado, mas esses probleminhas nem chegam a incomodar tanto.

Um dos principais problemas encontrados, que incomodou mais, foi em relação à multitarefa. Num bom gerenciamento de memória na multitarefa, como prometido no Moto G, seria possível alternar entre aplicativos, sem que os anteriores se fechassem, pelo menos por um tempo. Infelizmente não é o que acontece na prática, pois ao se executa um jogo, e alternar para qualquer outro aplicativo, ainda que por alguns segundos, ao voltar o jogo não estaria mais aberto. Foram feitos vários testes e em quase 100% dos casos esta situação se repetiu, conforme é possível ver no vídeo abaixo, que mostra também um pouco do desempenho do Moto G na prática.
Uma coisa curiosa é que esse erro que aparece no vídeo só aconteceu no momento da gravação. Em nenhum outro momento dos testes o problema foi observado. É bom então que os usuários do aparelho estejam cientes de que o erro existe e pode acontecer, assim como é possível que nunca aconteça.
 
 
Confira abaixo os resultados de alguns testes de benchmark, realizados com os aplicativos AnTuTu Benchmark, CF-Bench e Quadrant Standard Edition. 
[ An Tu Tu Benchmark ]
[ CF-Bench ]
[ Quadrant Standard Edition ]
[ Bateria ]
A bateria de 2.070 mAh é boa, mas quem espera uma autonomia tão boa quanto a doa Moto X pode se decepcionar. Durante os testes a bateria mostrou ter uma duração razoável, dependo muito do perfil de cada pessoa e das condições de uso no dia a dia. 

Confira abaixo o consumo da bateria em diversas condições de uso durante os testes, para que seja possível que cada um tire suas próprias conclusões em relação à essa característica do Moto G. 
[ Bateria: Primeiro exemplo ]
[ Bateria: Segundo exemplo ]
[ Bateria: Terceiro exemplo ]
[ Disponibilidade e Preço ]
O Moto G já está disponível para venda nas principais lojas do varejo, assim como na loja online da Motorola, em várias opções. Primeiramente temos a versão de um chip, com 8GB de memória, por R$ 649,00, com traseira na cor preta. Depois temos a versão com suporte a dois chips, também com 8GB de memória, por R$ 699,00.

Além disso, a Motorola lançou também duas edições especiais. A primeira é a Moto G Colors Edition, na versão dual SIM, 16GB, que traz quatro capas coloridas: amarela limão, vermelha, branca e preta. Esta versão está à venda por R$ 799,00.

Por fim temos o segundo pacote especial, o moto G Music Edition, também com dois chips e memória interna de 16GB. O destaque deste kit fica por conta do exclusivo fone de ouvido Air Tracks, da SOL REPUBLIC, com excelente qualidade de som e ótimo alcance sem fio de até 150 metros. Essa edição tem preço sugerido de R$ 999, mas já é possível encontrar por um preço mais baixo.
 
[ Especificações ]
Sistema Operacional
Android 4.3 Jelly Bean (atualização confirmada para 4.4 Kit Kat)
Dimensões
129,9 x 65,9 x curva 6,0-11,6 mm
Peso
143 g
Resolução de Tela
1280 x 720 HD
Densidade de Pixels
329 ppi
Tela
4.5”
Sim Card
microSIM
Memória RAM
1 GB
Processador
Qualcomm Snapdragon 400 com CPU quad-core de 1.2 GHz
GPU Adreno 305 450 MHz
Memória Interna
8 ou 16 GB
Suporte à Cartão SD
Não
NFC
Não
Câmera Principal
5 MP (4:3)
3.8 MP (16:9)
- Captura com um toque
- LED Flash
- 4X de zoom digital
- Disparo contínuo
- Auto HDR
- Panorama
- Foco automático ou manual
Câmera Secundária
1.3 MP + 720p HD vídeo
Filmagem
720p HD
Vídeo em slow motion
Bateria
2070 mAh mAh
 

[Artigos Relacionados]

[ Artigos Mais Lidos ]